quinta-feira, 28 de junho de 2012

Diferença entre judaísmo e cristianismo

Texto interessante de um Rabino Judeu, muito respeitoso para com o cristianismo, mostrando que a principal diferença entre o judaísmo e o cristianismo não é basicamente a crença em Jesus ser ou não o messias, mas os dogmas que separam as duas crenças.

Outro ponto interessante é que no ínicio do cristianismo, ambas religiões eram mais próximas e a história comprova isso. O texto na íntegra:

Dada a tradicional pergunta "afinal vocês acreditam ou não em Jesus Cristo?", a resposta mais inteligente que eu já escutei foi esta:"nós judeus acreditamos que o Messias virá. Vocês cristãos acreditam que ele já veio, mas voltará. Portanto, numa coisa nós concordamos - ainda vem alguém pela frente. Alguém ainda está para vir. Muito simples! Basta aguardar o Messias e, quando ele chegar, perguntamos se essa é a primeira ou a segunda vez que ele aparece por aqui...".

Se Jesus é ou não o messias não é a pergunta mais importante que divide o Judaísmo do Cristianismo. A grande questão que difere os dois sistemas religiosos é a ênfase que cada um dá para fé e ações. De acordo com o Judaísmo, D'us considera as ações das pessoas muito mais importantes do que sua fé. "Melhor que (os judeus) Me abandonem, mas sigam as Minhas leis" (Talmud Y. Hagiggah 1:7). Agir de acordo com os princípios éticos e morais judaicos é a obrigação central dos judeus. O Cristianismo, por outro lado, à medida que foi se desenvolvendo, deixou de lado a quase totalidade das leis e transformou a fé no seu ponto central.

No início as diferenças eram praticamente insignificantes. O próprio Jesus afirmou que "não imaginem que eu vim para abolir a lei dos profetas (...) quem infringir a lei será o último para ir ao reino do céu" (Mateus 5:17). Com o passar do tempo, a derrota para os romanos em 70 e.c. e a influência dos apóstolos, notadamente Paulo, a lei foi sendo abandonada. Com o advento do protestantismo, os sacramentos católicos foram eliminados, mas não a valorização exclusiva da fé. Lutero escreveu que "a fé por si mesma, sem os sacramentos, justifica, liberta e salva". Esse processo teve um efeito cataclísmico no distanciamento entre nós e os cristãos.

Existem três dogmas que derivam dessa diferença fundamental. Para os cristãos, acreditar nesses dogmas é necessário para resolver alguns problemas que seriam insolúveis caso os dogmas não existissem. Trata-se do "Pecado Original", da "Segunda Vinda" e do "Perdão através da morte de Jesus". Ah, nenhum destes dogmas estão na Torá.  Para os judeus, esses dogmas não são necessários porque esses problemas nunca existiram. E de fato não existe, igual  "judaísmo messiânico". O Cristianismo estabelece que todas as pessoas nascem pecadoras, estando nessa condição de forma hereditária. Paulo escreveu que "o pecado veio através de um homem e através de outro homem que ele será removido" (ética IX). Assim, apenas o batismo, e nada mais, tem o poder de salvar o ser humano. Seria uma espécie de antídoto universal para o pecado que nasce com cada pessoa, desde os tempos imemoriais. Para o Judaísmo, "Pecado Original" não é problema. A noção de que as pessoas nascem pecadoras não é judaica, procure na Torá! Não tem... Cada pessoa nasce inocente e cabe a elas tomar as suas próprias decisões morais e escolher se ela quer ou não pecar, isto tem um nome, se chama livre arbítrio e responsabilidade.

Outro problema Cristão é o fato das profecias messiânicas não terem se concretizado quando da vinda de Jesus. Como pode Jesus ser o messias se nenhuma das principais profecias se tornou realidade? "Nação não levantará a espada contra nação, nem aprenderão mais a guerra" (Isaias 2:1). Não é preciso ser um especialista em história para saber que, nesses vinte séculos de era cristã, isso não se concretizou.

obs. Opinião não compartilhada pelo autor do blog

A solução oferecida pelo Cristianismo é o conceito da "Segunda Vinda" de Jesus, quando finalmente a era messiânica chegará. Para os judeus, esse conceito não é aceitável porque a Torá nunca mencionou uma segunda vinda do Messias.

Além desses elementos, existe o problema de que as pessoas não podem obter salvação através de suas ações. Para resolver isso, desenvolveu-se o dogma da fé em Jesus como única forma de salvação. Nessa solução, como foi observado acima, o Cristianismo difere profundamente do Judaísmo. Quais pecados a morte de Jesus estaria removendo dos ombros da humanidade? Como a Torá afirma que apenas o povo judeu pode ser cobrado pelas obrigações homem-D'us, então a morte de Jesus só poderia estar perdoando a humanidade pelos pecados homem-homem. Essa doutrina se opõe diretamente ao Judaísmo e sua noção de culpabilidade. De acordo com o Judaísmo, nem mesmo D'us pode nos perdoar pelos crimes cometidos contra outros seres humanos. Apenas a pessoa atingida tem o poder de nos perdoar, sabia disto?

Por fim, existe a diferença fundamental em termos da atitude para com os agressores. "Não ofereça ao mal nenhuma resistência. Pelo contrário, se alguém te bater na face direita, ofereça a ele a esquerda também" (Mateus 5:38) e "Ame os seus inimigos e reze pelos teus perseguidores" (Mateus 5:44). O Judaísmo, por outro lado, exige que os agressores sejam poderosamente resistidos. A Torá cita o exemplo de Moises, quando mata o capataz egípcio que batia em um escravo judeu. Do judeu é exigido tratar seus inimigos com justiça, mas não existe nenhuma indicação nas fontes de que um judeu deve amar seus inimigos. Nenhum judeu é obrigado a amar um nazista, por exemplo, como poderia sugerir a declaração de Mateus.

Apesar das muitas diferenças entre nós e os cristãos, essas diferenças não devem em hipótese alguma ser obstáculo para um excelente relacionamento entre as comunidades. Os dois sistemas religiosos compartilham valores e objetivos bastante similares. Ambos querem um mundo mais ético e humano e as pessoas religiosas das duas comunidades devem se ajudar nesse intento. No entanto, em uma época em que movimentos missionários cristãos das mais variadas estirpes lançam campanhas de conversão de judeus, é importante conhecer as diferenças entre nós e os cristãos para termos claras as linhas vermelhas que separam cada religião.

Artigo baseado nas obras de Dennis Prager e Joseph Telushkin. Tradução e colaboração de Selma Bias Fortes.
fonte: Judeus.org

Shalom!

27 comentários:

  1. Meu maninho é isso mesmo,o que não se pode é procurar estabelecer ou renovar a fé tendo como dependencia apenas a sua origem judaica,pois isso quase sempre esbarra no tal legalismo e tanto o legalismo judaico como cristão são fatores nocivos para a fé.Até mesmo por que,nem os judeus tem seguido as leis com o devido afinco,se assim fosse, veríamos centenas de filhos rebeldes sendo apedrejados por seus pais (Deut.21.18-21).Mas o que de fato vemos são palestinos sendo covardemente trucidados (ironicamente com pedras nas mãos)pelo exercito de Israel.Não sei se é salutar esse embalo de efetivar as ações da Igreja militante à partir da ótica judaica de cultos e costumes.
    Dessa forma pode-se chegar a conclusão de que deve-se Libertar a Barrabás e crucificar o carpinteiro.Exageros a parte.
    Creio sim que o Antigo Testamento e o Talmude contribuem em muito para a fé dos seus seguidores de Cristo,assim como creio que o povo judeu deve ser amado e respeitado não por serem herdeiros da promessa,mas por serem humanos e falhos como todos nós.
    Outro ponto que acredito fazer muita diferença é o fato de que os judeus ainda esperam a chegada do Messias,enquanto os seguidores de Jesus já o receberam de volta com o advento do Espírito Santo.O Reino já está posto e é identificado por intermédio dos seus representantes guiados por um mesmo Espírito.Sua presença não acontece tão somente na reunião de dois ou três,mas na atuação relevante dos que o seguem,pois estes nunca estarão realmente sós,olhando para o alto a espera de alguém.
    Não considero que o fato de Constantino ter maculado o cristianismo (e de fato o fez)e o helenismo e o paganismo também tê-lo influenciado,tenham tirado de Deus o controle da situação.A herança dos apóstolos foi justamente sua resistência e perseverança em meio as diferenças. E a adaptação às novas culturas sem perder sua essência (o Amor)sem duvida foi um fator primordial para o crescimento da fé entre os povos.
    Não são os seguidores de Cristo sal da terra e luz do mundo?Por que não santificar o que a tolice humana tornou profano?Por que não dar o nome certo ao deus desconhecido do altar?
    Dessa maneira a coisa vai para além da lei.Com isso o sábado não é mais o dia especial mas todo dia torna-se especial,todo dia é sábado.Não é o que se faz ou como se faz,mas sim o espírito com que se faz.É na prática,a transformação do entendimento humano.
    E aí faz sentido entender que não há mais grego ou judeu,oculto ou profano,pois tudo pode ser lavado pelo sangue que redime o mundo.Assim,olhamos para trás com o respeito devido,mas vivemos (ou sobrevivemos) o agora buscando soluções que reverberem no amanhã.E quando chegar a hora certa vem a transformação definitiva.
    Parabéns pelo material e pelo respeito na resposta das mensagens que lhe são enviadas.
    Avante querido e Paz para sua casa.

    Luciano Galdino

    ResponderExcluir
  2. O brasil poderia ser um pais melhor se as pessoas fossem judaicas...
    Pois qualquer um, até mesmo um bandido diz que é de deus, mas comete crimes.
    Já que o judaísmo é mais ''aplicado em ações'', só os que realmente acreditam em deus iriam segui-la.
    As duas religiões no final tem o mesmo deus, então por que não se dão bem? =p
    Vou deixar essa pergunta no ar shsuhsuh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As duas religiões não tem o mesmo deus, o deus dos cristãos é um dividido em três

      Excluir
    2. Não interpretei corretamente, mas gostaria de saber como O o Deus dos Cristãos é dividido em três?

      Excluir
    3. Pai, Filho e Espírito Santo, todos são o mesmo Deus! Pai pq foi o criador, Filho porque desceu na terra igual aos seus filhos, e Espirito Santo foi o consolador enviado àqueles que nele crêem.

      Excluir
    4. O Brasil seria um país muito melhor se todas as pessoas deixassem a religião de lado e focassem em ser pessoas melhores. O PAI (Deus, D'us ou Alah) são a mesma coisa. A força superior das outras religiões são a mesma coisa com outro nome. Se bobear, até Zeus (o Deus dos deuses gregos, ou seja, o único Deus acima de todos), Júpiter (ou Jove, Deus dos deuses romanos) e os outros deuses maiores de todas as outras culturas são a mesma coisa. Acho particularmente uma grande besteira acreditar nisso, e no fim das contas, se Deus existe mesmo (e eu acredito que exista uma força superior), vai nos julgar pelas nossas ações, não pela força com que acreditamos (mas não agimos). Isso SE ele julgar. De verdade? Faça o bem nessa vida. A outra ninguém voltou pra contar...

      Excluir
    5. Vá lê a bíblia vá! E Leia apocalipse! Jesus voltará e quero saber como ficará sua alma,se crê ou não crê,não importa,o que importa é que Jesus vai voltar.

      Excluir
  3. querido amigo li seu comentário o que é aTorah para os Judeus, é o velho testamento para nós cristãos e no livro do profeta Isaías o qual profetizou e escreveu 730 anos antes de Cristo vir ao mundo pela primeira como homem possuindo duas naturezas, ou seja, a divina e a humana, menciona que a época quando os homens não mais aprenderá a guerra e haverá uma paz celestial na terra será na ultima dispensação a sétima chamada de MILÊNIO isso consta na torah livro de Isaías e Jesus contrariou os fariseus da época pela sua postura e fidelidade ao Pai coisas que até hoje os judeus não aceitam e fecham seus ouvidos para ouvir porque o próprio Jesus disse certa vez: O princípe (o diabo) desse século cegou o intendimento deles para que não vejam isso aconteceu porque eles os judeus não quiseram então a oportunidade passou para nós os gentios, mas mesmo assim o Senhor Deus não os desprezou num futuro bem próximo Deus vai tratar com eles os judeus, quando o tempo dos gentios houver terminado. Amamos nossos irmãos judeus porque afinal de contas nosso irmão mais velho se chama JESUS e um dia todos tanto eles como nós vamos dobrar nossos joelhos diante DEle e condessá-lo como Senhor. Somos sim o sal da terra e a luz do mundo em Cristo temos que fazer a diferença na vida das pessoas assim com o sal faz na hora do tempero e a luz ao dissipar as trevas, mas mesmo assim estamos aguardando o mestre querido que voltará a qualquer instante como Ele mesmo disse mais de uma centena de vezes só no novo testamento. Prepara-te ó Israel para encontrares com o Senhor teu DEUS! Livro do profeta Amós cap. 4. vc 12 b

    ResponderExcluir
  4. Olá amigo(a) tudo bem? Os judeus não acreditam em Jesus porque ele não cumpriu as profecias Isaías 7:14 está escrito que a moça jovem dará a luz a um filho e não uma virgem e ela o chamaria de Emanuel nome pelo qual Jesus nunca foi chamado em todo o nt Se quando ele voltar ele livrar Israel dos seus inimigos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O nome Emanuel é uma Metonímia, ou seja, uma palavra que lembra a outra, a palavra Emanuel está fazendo referência a palavra Mashiach (Messias) que está sinalizando a pessoa ungida de Deus que será o representante de Deus, como foram os profetas e a Arca da Aliança só que com propósitos muito maiores. Se eu fosse pensar como você pensou relacionado a palavra Emanuel ( Deus conosco) o nome de Yeshua (Jesus) deveria ser Mashiach (Messias).

      Excluir
  5. Voce me ajudou muito obrigado by: marcos gostoso

    ResponderExcluir
  6. estou na escola lourdes fontoura muito feliz pq amo estudar :)

    ResponderExcluir
  7. Quando iniciei minhas pesquisas acerca da origem do cristianismo eu já tinha uma ideia formada: nada de Bíblia, teologia e história das religiões. Todos os que haviam explorado esse caminho haviam chegado à conclusão alguma. Contidos num cercadinho intelectual, no máximo, sabiam que o que se pensava saber não era verdade. É isso o que a nossa cultura espera de nós, pois não gosta de indiscrições. Como o mundo não havia parado para que o Novo Testamento fosse escrito, o que esse mesmo mundo poderia me contar a respeito dessa curiosidade histórica? Afinal, o que acontecia nos quatro primeiros séculos no mundo greco-romano, entre gregos, romanos e judeus?

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/paguei-pra-ver

    ResponderExcluir
  8. Quando iniciei minhas pesquisas acerca da origem do cristianismo eu já tinha uma ideia formada: nada de Bíblia, teologia e história das religiões. Todos os que haviam explorado esse caminho haviam chegado à conclusão alguma. Contidos num cercadinho intelectual, no máximo, sabiam que o que se pensava saber não era verdade. É isso o que a nossa cultura espera de nós, pois não gosta de indiscrições. Como o mundo não havia parado para que o Novo Testamento fosse escrito, o que esse mesmo mundo poderia me contar a respeito dessa curiosidade histórica? Afinal, o que acontecia nos quatro primeiros séculos no mundo greco-romano, entre gregos, romanos e judeus?

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/paguei-pra-ver

    ResponderExcluir
  9. pior se depois da passagem, morte, descobrimos que já estávamos no paraíso... ja pensou se DEUS falar, eu coloquei vcs naquele pequeno planeta ,mais perfeito.. vcs tinham o ar para respirar, aguá pra beber e as estrelas para admirar.. só se preocuparam em fazer guerra , religião, morte , leis, salvação .. acabarão com mundo que lhes dei e agora cobram o paraíso.. meus caros, sinto informar mais o paraíso estava dentro de cada um de vós e dependia só de cada um enxerga - lo ou não...

    ResponderExcluir
  10. O Comentário do Dilson,leva a uma logica de raciocínio,porque o mistério em relação a Deus e o que virá ninguém consegue uma solução exata,porque Deus faz tudo com perfeição e o homem somente alcança o conhecimento porque ele permite ,pela logica alcançarmos a um certo ponto mas não o conhecimento absoluto.

    ResponderExcluir
  11. O cristianismo foi criado por Constantino. O judaísmo pela Torah do Eterno. O jesus cristo e romano, n judeu, ele foi criado por roma .

    ResponderExcluir
  12. Eu acho as duas religiões, aliás todas as religiões pura hipocrisia.Não vejo nada que seja necessário para a humanidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada de necessário? Só o bem que muitos dos seguidores fazem, ajudando os pobres, como Jesus mandou fazer por exemplo.
      Hipocrisia? Não vejo alguma, da religião em si não, mas de alguns que acreditam sim. Mas e aí? Generalizar é realmente algo inteligente?

      Excluir
  13. Há falta de conhecimento neste artigo. Só para citar dois pontos: 1) Os cristãos não acreditam que o batismo salva. 2) O fato dos cristãos amarem a todos sem exceção, inclusive os inimigos, como nazistas, não significa o que o texto propõe. Os cristãos amam seus inimigos mas, contudo, sabem que eles também estão sob a lei humana e sob a lei de Deus, sabem que eles devem cumprir o que a lei humana determina e também a lei de Deus, apenas amam seu inimigo na esperaça de que todos sejam transformados e possam viver na glória de Deus. Amar não significa aprovar, amar é o sentimento de amor, de querer ajudar, em vez de querer tão somente vingar-se, amar é admitir que todos nós somos falhos e que a pior das pessoas merece perdão, é claro, mesmo que cumpra a sua sentença.

    ResponderExcluir
  14. Isaias 2:1 diz a respeito dos "últimos dias" seria a última semana do qual fala Daniel! Você deve estar confundindo os textos! Isso não concretizou porque só vai ocorrer isto na vinda de Cristo! Quando ouve paz total abram os olhos e vigiem! Você talvez está dizendo que não se concretizou porque temos guerra todos os dias,mas Isaias cita esta paz nos últimos dias ,e ainda está por vir,não veio ainda!!!

    ResponderExcluir
  15. E mais um fato ,leia antigo testamento a respeito dos judeus!

    ResponderExcluir
  16. O cristianismo nunca foi de origem judaica. A fé cristã tem obstado esses estudos da parte dos cristãos. Afinal, a nossa cultura é cristã e a academia endossa essa ilusão.

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/o-engano-e-os-enganados

    ResponderExcluir
  17. O cristianismo nunca foi de origem judaica. A fé cristã tem obstado esses estudos da parte dos cristãos. Afinal, a nossa cultura é cristã e a academia endossa essa ilusão.

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/o-engano-e-os-enganados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Óbvio que não. Mas Jesus era JUDEU. O cristianismo veio depois de Jesus, o maior de todos os profetas (quem disse isso foi Maomé, não eu)

      Excluir
  18. Isaias, profeta tao amado pelos Judeus, falou do Messias que seria moído pelas transgressões humanas; Davi, outro amado dos Judeus, falou da crucufuxao de Jesus Cristo (lançam sorte sobre as minhas vestes... ).tudo isso aconteceu com Jesus...ele veio para os Seus, que na sua maioria não o receberam... hoje eles não conseguem aceitar isso... mas no futuro o aceitarão... porque o mundo todo vai a Jerusalém por causa de Jesus, cumprindo assim o que Deus disse pelos profetas: Pela boca de muitas nações falarei a este povo... amadis Irmãos Judeus, que sejam abertos os vossos olhos espirituais para verdes o grande Amir de Deus por vós manifestado em Jesus Cristo!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...