segunda-feira, 5 de março de 2012

Existe inferno nas escrituras?

Muitas pessoas me questionam acerca da palavra inferno, pois como todos sabem, este conceito é mais um que não existe no judaismo. Vamos analisar:

A palavra inferno vem do latim inferii e significa lugar inferior. A idéia de inferno como um lugar de fogo para onde vão almas incorpóreas condenadas não se encontra nas Escrituras, apesar de aplicações que se fazem de textos simbólicos e parábolas.
Também a palavra inferno não faz parte do texto original Das Sagradas Escrituras como acontece com as palavras evangelho, batismo e outras que estão nas bíblias na nossa língua.

A palavra inferno foi colocada nas traduções em português para substituir quatro outras palavras com significado completamente diferente do conceito religioso popular de inferno. Isso ocorreu devido à crença que o tradutor nutria previamente e que o influenciou a colocar a palavra inferno nas traduções que fez.
Algumas Bíblias antigas trazem inferno em I Cor 15:55 mas algumas modernas como a Almeida Atualizada trás “morte”, que é o correto. O mesmo ocorre em Apoc 20:13 onde se lia “a morte e o inferno”, encontra-se agora, “a morte e o além”, mas a palavra lá é hades (grego) e significa “sepultura”.

A doutrina do inferno é de origem grega e romana e as pessoas são induzidas a crer nela pela formação religiosa anterior que receberem além das falhas das traduções que geralmente usam e fortalecem um pensamento anti-escritural.
As quatro palavras que foram erroneamente traduzidas por “inferno” são:

1. GEENA (hebraico) que é uma forma simplificada da expressão ge (vale) bem (filho) e Hinom (nome da família proprietária da área), ou seja, vale dos filhos de Hinom. Essa palavra se encontra no novo testametno como em Mateus 5:22, 29 e nada tem a ver com um inferno de fogo eterno. Era um vale onde, no passado, se fazia sacrifícios humanos e se queimavam os corpos de pessoas aos ídolos. O profeta Jeremias profetizou que ali seriam lançados os corpos dos desobedientes e que ali ficariam expostos (Jer. 7:31-34). Nos dias do Messias o local continuava a ser depósito de animais e lixo em putrefação e os moradores sempre ateavam fogo para consumir os restos ali deixados. Esse lugar ELE usou para simbolizar o fim trágico que aguarda os desobedientes. Apenas corpos físicos eram consumidos no GEENA por isso que havia bichos nos corpos podres, coisa que almas não têm. Não tem nada a ver com almas num fogo eterno.


2. HADES (grego) usada no NT juntamente com Sheol (hebraico) usada no AT significam “sepultura, lugar dos mortos, morada dos mortos”. Entre outros textos esta palavra (hades) encontra-se em Apoc. 20:13. Aqui o inferno (na verdade a sepultura) é o lugar onde estão os mortos, pois ele mesmo, o inferno=sepultura, é lançado no lago de fogo onde é destruído (Apoc. 20:14) pois a sepultura é o símbolo da morte que O Messias destruiu. Sheol, seu equivalente hebraico, também significa sepultura, sendo equivocadamente traduzida por “inferno”. Em Jó 17:16 declara-se que os mortos ficam no pó e em Isaias. 14:9-11 se declara que o inferno (sheol) é um lugar onde os bichos comem os cadáveres. Também nada a ver com lugar de fogo eterno. Aliás, ainda em Apoc. 20:10 se diz que o próprio Diabo somente será lançado no lago de fogo, que se forma quando O Messias volta no Juízo Final, quando O Altísimo derrama fogo do céu. No verso 14 diz que o próprio inferno (sepultura) também é lançado nesse final lago de fogo.

3. TANATO (grego). Esta palavra ocorre em vários lugares, mas é traduzida em I Cor. 15:55 como inferno. Na realidade a falha de tradução foi tão clara que nem os que crêem no inferno tradicional mantiveram o erro, e corrigiram na Almeida Atualizada. Lá diz “onde está ó morte (tanato) a tua vitória onde está ó inferno (tanato=morte) o teu aguilhão?” O verso 54, anterior, diz que a morte (inferno) perde a vitória e o aguilhão porque O Messias nos dá a imortalidade. Também não tem nada a ver com um lugar de fogo onde as pessoas ficam queimando.

4.TARTAROS. A quarta e última palavra é TÀRTAROS (lugar de trevas). Esta palavra ocorre no português apenas uma vez em II Pedro 2:4. O próprio texto declara que os anjos foram expulsos da presença do Eterno, ou seja, onde está a verdadeira luz, para o exterior que são as trevas, privados da luz do céu onde moravam e sem ela neles uma vez que pecaram. Conforme diz o texto esse “inferno” também não tem fogo, somente a escuridão da ausência do Eterno. Além do mais, em harmonia com Apoc, 20:9,10,14 eles estão aguardando o Juízo Final quando, somente então, serão lançados no Lago de Fogo produzido pelo fogo que desce do Céu e que os destrói juntamente com os que rejeitaram a salvação do Messias. Esta palavra, a última, também nada tem a ver com o inferno tradicional.


Surge então a pergunta: e o fogo eterno que diz Apoc. 20 se formará depois do milênio com o fogo e enxofre que desce do céu?

A expressão eterno é “aion” (grego) que significa uma duração relativa ao que se refere. Pode estar falando que é eterno sem fim ou que é eterno “enquanto dura” como disse certo poeta. Ou seja, precisamos examinar o contexto para saber se é eterno sem fim ou eterno até que acabe.

Em Apoc. 20:10 diz que serão atormentados pelos séculos dos séculos (“aion ton aion” em grego= para sempre, eternamente conforme algumas traduções). Mas esse “pelos séculos dos séculos é previamente explicado no verso anterior, o v. 9 que diz que o fogo que desceu “do céu os CONSUMIU”, logo, serão atormentados eternamente até que toda a substância seja consumida, e seu resultado, a destruição, será eterna, pois o fumo, ou fumaça que disso resultar estará no espaço “para sempre”, isto é, até que tudo que pode ser queimado, acabe.

Mas, além do significado gramatical de “eterno” e da explicação de Apoc. v. 9, há muitas passagens declarando que o fogo que destrói os maus nos últimos dias é um eterno até que consuma tudo e somente deixe as cinzas. Por exemplo, Judas 6,7 diz de forma clara que os anjos estão em trevas esperando o Juízo (igual diz Pedro como já vimos) em “algemas ETERNAS” (aion) . Ora, as algemas eternas serão tiradas quando chegar o Juízo e a condenação final, e a sentença for decretada., assim, a algema é eterna somente até que se cumpra o objetivo e sejam consumidos.

O verso 7 diz que o “exemplo do fogo eterno” é o da punição que caiu sobre Sodoma e Gomorra e as cidades vizinhas. Qual foi a punição de Sodoma e Gomorra? Estão queimando até hoje? A Bíblia diz que não, veja Gênesis 19:24-29. O apóstolo Pedro declara que Sodoma e Gomorra se tornaram em “cinzas” (II Pedro 2:6) para mostrar o exemplo do que acontecerá aos que vivem impiamente. Portanto, o fogo é eterno até consumir tudo neste planeta e Deus criar aqui um Novo céu e uma Nova Terra. Apoc. 21:1, 5 diz que Deus, então, fará novas todas as coisas.

Deus é amor, como deixaria alguém ficar por milênios, pela eternidade afora, se queimando em dores inimagináveis por pecados de uma vida passageira. Ele não prometeu isso, mas disse que o homem que pecasse, morreria. Se comesse da árvore da Ciência do Bem e do Mal morreria.
Para finalizar a Bíblia diz que TODOS os ímpios se tornarão cinzas no dia do Senhor. (Malaquias 4:1-3) o que concorda plenamente com o dizer de Apoc. 20:9; II Pedro 2:6 entre outras passagens.

Mas, e a parábola do rico e Lázaro? (Lucas 16:19-31). O nome do relato já diz é uma “parábola” onde não se vai para o céu, mas para o simbólico “seio Abraão”, também não se trata de “almas” no fogo mas de corpo físico com dedo, língua e que sente calor e pede água para matar a sede, fisiologia de corpo vivo que está sendo queimado, como ocorrerá no Juízo Final. Também deixa clara, a parábola que o mendigo morto e salvo foi levado “pelos anjos”, o que somente ocorrerá no futuro, na volta de Jesus (Veja I Tessalonicenses 4:13-17 entre outras passagens). E quanto a recompensa dos salvos (como no caso do mendigo da parábola) ou dos Perdidos (representado pelo rico da parábola) a mesma parábola declara que ambas as situações somente ocorrerão quando a chegar a ressurreição, que é a única forma (como vimos na passagem anterior) de se voltar de entre os mortos seja para a vida, seja para a morte eterna. (verso 32 e João 5:28, 29).

Finalmente, o apóstolo Paulo ensina que mesmo os que morreram em Cristo não estão salvos a não ser quando ocorrer a ressurreição. Eles não vão para o céu ou um lugar de tormento ao morrerem. Isso somente ocorrerá com a final destruição dos ímpios na volta de Jesus. Também não vão como almas sem corpo. A Bíblia ensina que se não houver ressurreição “naquele dia”, todos os que morreram em Cristo, mesmo eles, estarão perdidos. Leia I Coríntios 15:16-18.
Em Ezequiel 18:23, 32 Deus declara que não tem prazer na MORTE do ímpio, não se compraz em seu tormento eterno. “Porque não tomo prazer na morte do que morre, diz o Senhor Deus, convertei-vos, pois e vivei.”

Perder a salvação, sofrer “conforme as suas obras” e receber a morte e o esquecimento eterno é a maior punição que Deus pode dar a alguém. Sadismo é se deleitar na dor prolongada de alguém. Deus não se deleita nem mesmo no ato da morte quanto mais na contemplação eterna de alguém em infinitas agonias. Graças a Deus que sua Palavra nos informa: “não tenho prazer na morte do que morre” mesmo que seja ímpio. A extinção é a pena máxima.


Ao contrário do que muitos pensam, Satanás não manda no Inferno. Quem envia os ímpios para lá é o Senhor Jesus Cristo. Ele tem as chaves do Inferno.

Apocalipse 1: 18 E o que vivo; fui morto, mas eis aqui estou vivo pelos séculos dos séculos; e tenho as chaves da morte e do hades.

Obs.: A Palavra Inferno propriamente dita não existe na Bíblia Sagrada, interpretes utilizam esta palavra para separa Mundo dos Mortos do Lugar de Juízo e para identificar o lugar de tormentos, onde os impios sofreram o juízo após a morte.


O conceito sobre o inferno de fogo começou a ser adotado pelos cristãos principalmente a partir do 2.° século EC, bem depois da época dos primitivos cristãos, segundo a “Apocalypse of ‎Peter (Apocalipse de Pedro do 2.° século EC) foi a primeira obra cristã apócrifa a ‎descrever a punição e as torturas de pecadores no inferno”.
No entanto, os primeiros Pais da Igreja discordavam na questão do inferno. Justino, o ‎Mártir, Clemente de Alexandria, Tertuliano e Cipriano acreditavam que o inferno era um ‎lugar de fogo. Orígenes e o teólogo Gregório de Nissa achavam que o inferno era um ‎lugar de separação de Deus — de sofrimento espiritual. Agostinho de ‎Hipona, por outro lado, sustentava a idéia de que o sofrimento no inferno era tanto ‎espiritual como físico — conceito que passou a ser aceito. “Por volta do ‎quinto século a rigorosa doutrina de que os pecadores não terão uma segunda ‎oportunidade após a vida, e que o fogo que os devorará jamais se extinguirá, ‎prevalecia em toda a parte”.

No século XVI, reformadores protestantes tais como Martinho Lutero e João Calvino ‎entenderam que o tormento ardente do inferno simbolizava passar a eternidade ‎separado de Deus. No entanto, a idéia de o inferno ser um lugar de tormento ressurgiu ‎nos dois séculos seguintes. O pregador protestante Jonathan Edwards costumava ‎aterrorizar o coração dos colonos americanos no século XVIII com a descrição vívida do ‎inferno.‎
Pouco depois, porém, as chamas do inferno começaram a diminuir lentamente. “O ‎inferno quase morreu no século 20”

No Cristianismo existem diversas concepções a respeito do inferno, correspondentes às diferentes correntes cristãs. A idéia de que o inferno é um lugar de condenação eterna, tal como se apresenta hoje para diversas correntes cristãs, nem sempre foi e ainda não é consenso entre os cristãos. Nos primeiros séculos do cristianismo, houve quem defendesse que a permanência da alma no inferno era temporária, uma vez que inferno significa "sepultura", de onde, segundo os Evangelhos, a pessoa pode sair quando da ressurreição. Essa idéia é defendida hoje por várias correntes cristãs.



fontes para pesquisa: Jesus voltará  , wikipédiao inferno de dante
                                   

13 comentários:

  1. Shalom!

    Ronaldo muito bom o conteúdo, mais uma vez está de parabéns. E que o Eterno te abençoe e te guarde.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Marcelo, fique com Deus também!

    ResponderExcluir
  3. Ronaldo continua nesse propósito com a verdade que o Eterno vai te abençoar.
    Pr. wellington

    ResponderExcluir
  4. Olá Ronaldo, a bíblia nos diz que o corpo volta ao pó, e o espírito retorna a Deus que o deu o homem é composto de corpo alma,espírito quando uma pessoa morre então só vai restar a alma.

    Em várias passagens Jesus sempre usa a palavra inferno, Geena, ou vale dos filhos de Hinom para simbolizar a punição e sofrimento para os ímpios.
    E mesmo em algumas passagens que não cita a palavra inferno eu percebo que se refere a punição.

    Ronaldo, se uma pessoa morre agora seu corpo vai para sepultura e vai ser totalmente consumido acabou.

    Quando Jesus usava a palavra inferno geena,fogo eterno entre outras eles estava se referindo a uma punição, que todos aqueles que não aceitasse o seu testemunho a sua verdade seriam punidos.

    No que estou entendendo essa punição na qual Jesus se referia só poderia ser a punição do que restou.O que restou? se o corpo se acabou no sepulcro,e o espírito retornou a Deus só restou a alma.

    Se for a alma ela tem que permanecer viva em algum lugar para no dia do julgamento final ela retornar e prestar contas de todos os seus pecados não sei bem como vai ser isso e nem mesmo se o que vai ser julgado é alma, pois alguma parte nossa vai ter que ser julgada porque se não teria sentido.

    Se for possível gostaria que você me explicasse pois, não tem uma compreensão concreta sobre isso.

    Abraços e fique na Shalom do Eterno!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse seu Jesus é maluco cara o Deus da Bíblia cria o ser humano falho aí o ser humano não quer acreditar nesse Jesus romano aí ele quer jogar as pessoas no inferno Para toda eternidade que onisciência é essa de se Deus da Bíblia

      Excluir
  5. Jesus falava por párabolas. Quando ele diz: É melhor perder um olho,que seu corpo inteiro seja queimado na geena" ele esta analogando que é mehor evitar o pecado,que ser destruido como o lixo,pois geena,era um antigo deposito de lixo em Israel. É apenas uma párabola!

    Sobre o julgamento,creio que haverá um dia uma ressureição, e todos seremos julgados.Mas enquanto mortos,apenas dormimos.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Ronaldo, só uma dúvida, essa questão do homem ser composto de corpo alma espírito como você vê isso?

    O que é alma p/ você?

    Entendo que o nosso espírito é emprestado por Deus, quando morremos ele volta para Deus o que o deu.

    Como nós precisamos do corpo da alma,e do espírito para permanecermos vivos,então no julgamento temos que receber novamente o corpo a alma e o espírito de Deus,pois só assim ressuscitaremos para sermos julgados conforme as nossas dívidas.


    Obrigado Fique com Deus irmão!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Não sou o Ronaldo".
      Como você entende Valdeir o fato de Deus ser Pai, Filho e Espírito Santo. Entendendo a trindade você entende também que o ser o humano também é trino. Não entendendo qualquer um você não entenderá o outro.

      Excluir
    2. "Não sou o Ronaldo".
      Como você entende Valdeir o fato de Deus ser Pai, Filho e Espírito Santo. Entendendo a trindade você entende também que o ser o humano também é trino. Não entendendo qualquer um você não entenderá o outro.

      Excluir
  7. Bem pelo que eu sei , nos primeiros séculos a igreja Romana defendia o purgatório , não seria a mesma coisa descrita nesse texto ?

    ResponderExcluir
  8. Amado,a palavra inferno e sepultara elas se confundem,ate mesmo nas Bíbljustosias nos TJ,a palavra para sepultura é quebec e para inferno é hades ou sheol,e tem outras tb.existem varias passagens que o Salvador Yeshua disse sobre inferno,um lugar de sofrimento eterno,e depois temos definitivamente o lago de fogo e enxofre,que é a segunda morte.A palavra morte se confunde com sono,e por ai vai,se examinar o original,texto e contexto vc verá que varias passagens das Escrituras afirmam que existe um lugar para os injustos!!!.é real,creia!!!.O inferno é real.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Onde diz que Sheol é inferno? Que dicionario que diz isso? Sofrimento eterno é o mesmo que o fogo eterno que Deus destruiu sodoma. Sodama esta queimando até hoje? Porque se o fogo é eterno deve estar!

      Excluir
  9. Muito bom Estudo Meu Amado Irmão, Esse Inferno Criado pelo Sistema Religioso é só para tirar dinheiro dos trouxas, causar um panico é pavor, o Messias é puro Amor, mais eu vejo isso algo tbm muito triste, uma pessoas deixar de existir, não saber que ela foi etc....o bom vai ser está ao lado do nossso Salvador por toda á eternidade....

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...