sábado, 7 de maio de 2011

Os acréscimos da biblia -Parte II

O INICIO DO EVANGELHO DE MATEUS

O capitulo dois do evangelho segundo Mateus, narras fatos impressionantes só narrado estranhamente por Mateus, a matança dos inocentes, a fuga para o Egito e a Visita dos magos do oriente guiados por uma estrela. Nenhum dos outros evangelistas ou mesmo os apostolos em suas epistolas, mencionam tais fatos. Nem históriadores da época, como Flavio Josefo menciona tal ocorrido em Belém da judéia.
Segundo a narrativa do evangelho, Herodes, sabendo que magos vieram do oriente para adorar o menino Jesus, tenta enganar os magos e depois percebendo que fora ludibriado por estes, irrita-se e manda matar todos os meninos que haviam em Belém, de dois anos para baixo.
Apesar de não ter sido narrado por nenhum outros evangelista ou apostolo, exceto em um relato apócrifo de Felipe, podemos comparando com os outros evangelhos, principalmente o de Lucas, que narra também sobre o nascimento do messias, perceber algumas contradições.

OS MAGOS DO ORIENTE
Nenhum evangelista mencionou a existência de tais magos guiados por uma estrela e não há nenhuma profecia messianica acerca disto. Nenhum profeta disse que a vinda do Messias seria anunciada por uma estrela. A própria palavra magos, no original semita esta sábios, que podem ser identificados como doutores da lei, Cohem(sacerdotes), mas não magos. A pratica de magia é condenada pela Torá e é no minimo estranho que magos tenha vindo visitar o messias. Em nenhum evangelho é mencionado o número três, atribuido posteriormente pela igreja, que ainda por cima identificou os tais magos como sendo partos, sacerdotes da Babilônia.
No relato segundo Lucas, vemos que um anjo apareceu aos pastores e lhes disse que seu messias acabara de nascer, e estes foram louvar o menino Jesus. Lucas em seu relato cuidadoso menciona até a aparição de um anjo mas nenhum mago.

Curiosamente, messias pagãos foram visitados por três magos, como Horus, krisna ou Mitra, que remontam a um simbolismo antigo da constelação dos três reis (três marias) que apontam para uma estrela na constelação de virgem. Portanto, o mais provavel aqui é que tenha havido um sincretismo da parte de Roma com a história dos messias pagãos.
Algumas biblias relacionam este fato ao salmo 72.10 " reis de Társis e das ilhas trarão presentes; os reis de Sabá e de Seba oferecerão dons..." Mas o rei referido no salmo 72 tem filho (v. 1), e o contexto é de um rei com um reinado bem estabelecido recebendo tributos de reis vassalos. Os presentes não viriam apenas do oriente (Sabá e Seba), como também do ocidente (Társis e as ilhas).

A MATANÇA DOS INOCENTES
Segundo Mateus houve um grande massacre de meninos abaixo de dois anos em Israel, não narrado por nenhum outro evangelista ou historiador da epoca e ausente até mesmo na tradição oral judaica. Ainda que Herodes tenha sido realmente um monstro que mandou assassinar a própria esposa e outros, um fato assim não passaria batido. Vale notar também que João batista, segundo lucas, nasceu com uma diferença de seis meses de Jesus e na mesma região, em uma cidade de Judá. Se tal massacre realmente ocorreu naquela região, é de se estranhar que João batista tenha escapado, pois tinha uma idade próxima de Jesus com uma variação de seis meses e nascera na mesma região. A profecia geralmente citada para isto esta em Jr 31.15  "Assim diz o SENHOR: Uma voz se ouviu em Ramá, lamentação, choro amargo; Raquel chora seus filhos; não quer ser consolada quanto a seus filhos, porque já não existem...".Não se refere ao messias. A passagem não se refere a uma matança de crianças. O choro de Raquel se refere à dispersão do povo de Israel e de Judá, que foram levados de sua terra para serem servos em terras estrangeiras. O versículo seguinte (v. 16) diz: "Assim diz o Senhor: Reprime a tua voz de choro, e as lágrimas de teus olhos; porque há galardão para o teu trabalho, diz o Senhor, pois eles VOLTARÃO da terra do inimigo."

A biblia de Jerusalém em nota de rodapé menciona que o evangelista pode ter usado de licença poetica fazendo uma analogia da história de Jesus com a história de Moisés.

A FUGA PARA O EGITO
Na narrativa de Mateus também vemos que a familia de Jesus foge para o egito, onde permanecem até a morte de Herodes, quando voltam para Israel e se estabelecem em Nazaré.
Mas segundo os relatos de Lucas, a familia de Jesus ia todos os anos a Jerusalém para adorar no templo:

"E o menino crescia, e se fortalecia em espírito, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele. Ora,
todos os anos iam seus pais a Jerusalém à festa da páscoa; E, tendo ele já doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume do dia da festa" Lc 2,40-42

Note que o evangelista é claro ao dizer "todos os anos" e não cita uma excessão de quando eles supostamente estariam no egito. Até porque, na epoca de Jesus, uma viagem de Israel ao egito deveria levar meses, e não é provavel que eles tivessem habitado no egito por algum tempo e iam todos os anos para Jerusalém para adorar. A profecia citada no evangelho: "Do egito chamei meu filho" não é uma profecia messianica, mas uma frase até comum no AT, onde o Eterno lembra seu povo que lhe tirou da servidão do Egito, da servidão do faraó. Outros mitos solares que podem ter influênciado o cristianismo também narram uma matança de inocentes por um rei tirano, sendo que na história de Jesus nenhum judeu relatou tal fato:

श्रीमद्भागवतमहापुराणम् दशमः स्कन्धः अथ प्रथमोऽध्यायः पथि प्रग्रहिणं कंसमाभाष्याहाशरीवाक् । अस्यास्त्वामष्ठमो गर्भो हन्ता यां वहसेऽबुध ॥ ३४ ॥ अथ द्वितीयोऽध्यायः गच्छ देवि व्रजं भद्रे गोपगोभिरलङ्कृतम् । रोहिणी वसुदेवस्य भार्यास्ते नन्दगोकुले अन्याश्च कंससंविग्ना विवरेषु वसन्ति हि ॥ ७ ॥ अथ चतुर्थोऽध्यायः गवं चेत्तर्हि भोजेन्द्र पुरग्रामव्रजादिषु अनिर्दशान्निर्दशांश्च हनिष्यामोऽद्य वै शिशून् ॥ ३१ ॥

Śrīmadbhāgavatamahāpurāṇam 10.1.34Quando Kaṃsa, controlando as rédeas dos cavalos, estava dirigindo a carruagem no caminho, uma voz do céu se dirigiu a ele: “Tolo! O oitavo filho desta que você está transportando matará você!” 10.2.7Abençoada Devi vá para Vraja, adornada por vaqueiros e seus rebanhos, onde Rohiṇī e outras esposas de Vasudeva vivem no vilarejo de Nanda Gokula em isolamento por medo de Kaṃsa. 10.4.31Se é assim, ó rei da dinastia Bhoja, a partir de hoje vamos matar todas as crianças nascidas nos últimos dez dias em todas as aldeias, vilas e terras de pastoreio.

Alguns comentaristas acreditam que o autor do evangelho segundo Mateus, tenha aprendido do apostolo histórias de jesus e do povo judeu, e tenha confundido o nascimento de Jesus com o nascimento de Moisés, citando fatos ocorridos com a história de Moisés como se tivessem ocorrido com Jesus. ou talvez, tenha tentado tipificar Moisés através de uma narrativa parecida, mas não é provavel que tais fatos tenham realmente ocorrido.

A RESSUREIÇÂO DOS MORTOS
No evangelho segundo mateus, vemos outra passagem no minimo intrigante, no capitulo 27 versiculos 52,53:

"E abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados; E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na cidade santa, e apareceram a muitos"

É fato que os apostolos, não estiveram presentes na crucificação de Jesus, segundo os próprios evangelhos e tudo que escreveram foi o que ouviram de testemunhas e presentes. Mas este fato em especial, não foi descrito por ninguém exceto no evangelho de Mateus. Ainda que só Mateus tivesse descrito tal fato, notamos aqui algumas contradições com o restante das escrituras. A ressusseição dos mortos, segundo a própria biblia só ocorrerá no dia do juizo:

"E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno" Dn12,2


"Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro" 1Ts 4,16

Ainda que alguns tenha ressussitados no momento da morte de Jesus, então estariamos em contradição com seu próprio ministério, pois Jesus permaneceu três dias no sepulcro, sheol, (literalmente sepultura em hebraico) e foi ressussitado pelo Eterno Deus altissimo. Mas segundo esta narrativa de Mateus, os mortos foram ressussitados antes mesmo do Messias, pois sairam de seus sepulcros e andaram por jerusalém á vista de todos, e estranhamente não narrado por ninguém.
O evangelista também não menciona o que houve com estes ressussitados. Se eles foram apresentados aos faireus, como era de costume, se se convertaram ao Messias, se foram apedrejados etc....Sendo que um fato assim não é uma coisa a toa e Deus não faz nada sem nehum propósito.

Irônicamente, na tradução de Hebreus vemos uma ordenança assim:

"E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo" Hb9,27

Tomemos o exemplo de Lazaro e suponhamos que ele tenha sido um destes ressussitados na morte de Jesus:

Lazaro morre (Jo11,14), Lazaro é ressussitado (Jo11,43), Lazaro é morto novamente (Jo12,10), suponhamos que Lazaro tenha sido um dos ressussitados com a morte de Jesus(Mt27,52) Lazaro morre mais uma vez, sendo que não viveu para sempre. E no dia do juizo será ressussitado mais uma vez. Então quantas vezes alguém é morto e ressussitado? Mesmo que Lazaro não fosse um destes citados por Mateus, isso não vai em contradição com esta citação de Hebreus?

Seja como for, o mais provavel é que o evangelista tenha utilizado de uma certa licença poetica nestes versiculos e a tradução de hebreus não esta fiel ao original.

"E, como aos homens convém morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo" Hb9,27

JESUS E A MULHER DO POÇO
Apesar de constar nos manuscritos originais deste evangelho, esta passagem é no minimo duvidosa. O evangelho segundo João não é considerado canonico e sim espiritual. Na epoca da escolha dos evangelhos, haviam muitos que eram gnosticos e muitos que sofreram influências de seitas que haviam na epoca. Apesar de pertencer ao canone sagrado, o evangelho segundo João apresenta alguns destes traços e esta passagem é um exemplo disto.

Inicialmente, qualquer historiador vai perceber a semelhança incrivel desta passagem com a passagem de Krisna e a mulher do poço. Até as frases no idioma sanscrito são parecidas com as que vemos nesta passagem, como por exemplo: "Dar-te ei de beber da água viva". E é notavel também muitas semelhanças com o pensamento judaico da epoca. O mais provavel é que esta narrativa tenha ocorrido em outro lugar e foram acrescidos ao texto, trechos de tradição oral dos povos pagãos, misturando assim em um fato simples, fatos de outra história.

A teologia cristã, encherga nesta passagem Jesus pondo um fim ao cisma que havia entre judeus e samaritanos. Mas se compararmos com os outros evangelhos, notamos algumas contradições dificil de encaixar logicamente. É sabido por todos que havia este cisma na epoca de Jesus e que Jesus até contara uma parabola onde ele menciona um "bom samaritano". Mas segundo a narrativa de Lucas, Jesus e seus discipulos não foram sequer recebidos pelos samaritanos, o que vai em contradição com esta passagem que diz: "Muitos samaritanos creram nele" (Jo4,39). vejamos segundo Lucas:

"E mandou mensageiros adiante de si; e, indo eles, entraram numa aldeia de samaritanos, para lhe prepararem pousada, Mas não o receberam, porque o seu aspecto era como de quem ia a Jerusalém. E os seus discípulos, Tiago e João, vendo isto, disseram: Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez?" Lc 9,52-54

Note que os discipulos ficaram tão indignados com a indiferença dos samaritanos que almejam até mesmo pedir fogo do céu, para puni-los por sua rejeição. Ja em Mateus, vemos nas ordenanças do messias, algo que também contradiz esta passagem:

"Jesus enviou estes doze, e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho dos gentios, nem entrareis em cidade de samaritanos; Mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel;" Mt 10,5-6

Jesus diz para os apostolos pregarem primeiro aos judeus, e não antes aos gentios ou samaritanos, recomendando inclusive que não entrem em sua cidade. Mesmo que posteriormente pudessem pregar aos samaritanos, é dificil entender como jesus diz para não entrar em suas aldeias, é rejeitado em uma delas e no evangelho de João vemos ele bem aceito e recebido por muitos samaritanos. É no minimo contraditório esta passagem com relação aos demais evangelhos que citam os samaritanos e com relação ao sisma religioso que havia na época com os judeus. Não podemos, no entanto, desconsiderar totalmente a autênticidade desta passagem, mas o mais provavel é que tenha ocorrido em outro lugar e o copista tenha entendido que foi em samaria ou talvez o evangelista tenha utilizado este lugar para colocar um fim no cisma entre os samaritanos e judeus.


Fora que no livro de Atos, capitulo oito, versiculo seis, estranhamente vemos Felipe indo pregar aos samaritanos, contradizendo a passagem de João de que todos creram nele;


Outras partes:


parte 1

parte 3

parte 4

Shalom!

17 comentários:

  1. Não pretendo ser um crítico do novo testamento, mas tais considerações acima não faz jus ao teor global das Escrituras. Parece ser até uma afronta o tal artigo proposto, ao dizer que os evangelhos(ou a bíblia como um todo), não faz referência a estrela como sendo uma profecia. Em Nm 24:15-17, está uma referência, como sendo um futuro cumprimento da chegado do messias, e até mesmo menciona o "cetro", que no pensamento judeu poderia ser uma refêrencia somente a uma divindade, e esse, não poderia ser outro: CRISTO. Ser formos levar à sério, que esse episódio é um acréscimo ao evangelho de mateus por ser o único a tratar desse evento, o que dizer então aos relatos da criação do mundo, que aparecem em sua forma expandida apenas duas vezes na Bíblia(Gên 1 e 2)! Deveríamos tomar a sério o decálgo, que é mencionado na integra apenas duas vezes no Antigo Testamento(Ex 20-17~;Dt 5:7-21)! E sobre a estrela, que diz ser costumes de povos pagãos.O que dizer então, quando Deus mandou a Moisé erguer uma serpente de bronze, representando o CRISTO para que todo israelita que exerce-se fé nela fosse curado! A serpente era uma deusa, adorada pelos egípcios e outros costume helenísticos, e isto foi aplicado num contexto judaico-cristão, tanto no Novo quanto no Antigo Testamento, será que teremos que considerá esses episódios como não sendo inspirado! E muitos outros exemplos que poderia citar. Sem contar, a história do dilúvio, o dízimo, a crença na vinda de um redentor, a santa ceia, etc que era costumes místico-helenísticos práticados por povos circunvizinhos que copiava os cristãos. Bom, não vou comentar o restante do assunto por ser um tanto extenso.

    ResponderExcluir
  2. Anonimo Independente do que você citou sobre Moisés, a serpente etc....O que este texto esta abordando, não é achismo ou coincidências. A analise textual do novo testamento não esta baseada somente nas coincidências com mitologias pagãs, mas também no que realmente não possui conteudo histórico. A estrela, por exemplo, segundo o evangelho de Mateus, só o de Mateus, foi vista por magos do oriente e nenhum outro judeu viu, estranhamente. Nem os demais evangelistas, nem os apostolos, nem os historiadores como Josefus, enfim, ninguém. Mesmo Lucas que fez uma narrativa detalhada da infância de Jesus não menciona tal fato. A profecia de numeros 24, não é messianica, pois se for, então Jesus foi um falso messias, porque la diz: "ferirá os termos dos moabitas, e ferirá no crânio todos os filhos de Sete" e isto Jesus não fez. Abraços!

    ResponderExcluir
  3. << Śrīmadbhāgavatamahāpurāṇam 8.18.5Quando a Lua encontrava-se na casa de Śravana, em Śravana Dvādaśī, no momento auspicioso de Abhijit, TODOS OS PLANETAS E ESTRELAS, O SOL E A LUA, prodigamente caridosos celebraram o nascimento de Vāmana.>>

    Parece que o texto não diz que foi uma única estrela. Parece só natural para a cabeça de um pagão que o universo inteiro celebre o nascimento de um deus. Já no caso de Jesus não se dá o mesmo. E a estrela guia cumpre um propósito: conduzir os reis-astrologos a Israel para anunciar o nascimento do Messias. Não é o caso de Sri Krsna.

    ResponderExcluir
  4. joabe Não existe nem nos originais e nem em nenhuma versão biblica a palavra reis ou astrólogos. Nem nas ferreiras de Almeida que variam muito a tradução. A estrela descrita só por Mateus não foi anunciada por nenhuma profecia e se tivesse sido, os próprios judeus a teriam seguido. Pastores visitaram jesus em seu nascimento, não reis astrólogos. Obrigado por comentar! Abraços!

    ResponderExcluir
  5. << A própria palavra magos, no original semita esta sábios, que podem ser identificados como doutores da lei, Cohem (sacerdotes), mas não magos.>>

    Se eram sacerdotes pagãos então eram também astrólogos, o que significa que eram magos. Isso sigifica que não muda muita coisa. Isso mostra porque teríam sidos guiados por uma estrela. Ora, naqueles dias, como hoje ainda, os judeus esperavam o messias. E muitos não-judeus conheciam as escrituras dos profetas. [At.26:27] Neste caso, eles poderiam ter crido na vinda do prometido messias e Deus fez saber a eles quando do seu nascimento.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns Ronaldo por suas considerações e estudos. Que o Senhor Deus possa te iluminar continuamente em teus estudos e pesquisas.
    Obrigado pelo conhecimento compartilhado.
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Sofismas! Site perspicaz, cheio de engodo.
    O autor utiliza-se de uma técnica descrita diversas vezes nas Escrituras Sagradas: A deturpação da verdade, ou seja, A MENTIRA!
    Para isso, usa-se algumas verdades para dar certa credibilidade e veracidade aos textos. Porém, mescla-os com diversas proposições falaciosas. Bem verdade que nem todos os assuntos aqui citados tem informações inverídicas. Como citado, existem algumas verdades para dar credibilidade a todo conteúdo do site.
    Existem diversas incoerências. Percebe-se uma insatisfação por não conhecer todos os mistérios e, assim, tenta desacreditar toda a Escritura com argumentos enganosos. Talvez queira reescrever as Escrituras.
    Existem inúmeras incoerências. O autor chega a citar isoladamente Hb 9:27 e depois tem a audácia (ou seria ignorância?) de exemplificar com a ressurreição de Lázaro. Dando seguimento ao absurdo, o autor pergunta: "Então quantas vezes alguém é morto e ressuscitado?" E assim, tenta invalidar todas as ressurreições! Caindo em contradição com o próprio versículo citado (Hb 9:27) e as ressurreições mencionadas.

    É claro que existem inúmeros meios e formas de estudar e conhecer as Escrituras Sagradas. E que houve algumas deturpações e alteração... mas isso é um outro assunto.

    O problema é a inconstância, as contradições nos textos e a hipocrisia, pois o autor ataca veementemente as deturpações bíblicas, mas esquece que seus textos estão tão cheios desses erros.

    Obviamente faltam provas para atestar tais ILAÇÕES.


    O cara reconhece o "domínio" de "professores" de hebraico e... CTRL+C e CTRL+V...

    Como PROVAR a veracidade das narrações das Sagradas Escrituras?
    R: É uma questão de fé.

    "Jesus, porém, respondendo, disse-lhes: Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus." (Mt. 22:29)

    ResponderExcluir
  8. Eu já esperava este tipo de comentario! O fundamentalismo sempre em choque com a razão. Não importa se uma passagem na bíblia é a mesma de um veda hindu, ou se não tem no grego etc....Esta na bíblia, é a palavra de Deus e pronto. E quem falar contra é um herege. Ja esperava por isso!

    ResponderExcluir
  9. Quem não tem argumento grita ou se esconde com os dizeres: "Já esperava esse tipo de comentário". Está igualzinho a uma turma da imprensa que não gosta de ser confrontada.

    Primeiro faça a análise do comentário. Pois o comentário analisa e confronta as Escrituras com o teu post. Aliás vai mais além, confronta o teu posto com o teu próprio - pasmem - post. Um exemplo? Você lembra a PRIMEIRA morte e ressurreição de Lázaro. Isso já é suficiente para entrar em contradição com Hb. 9:27 SEGUNDO O SEU ENTENDIMENTO. Pois o "UMA" dessa passagem de Hebreus não é artigo, mas sim faz referencia ao numeral (quantitativo). Dessa forma a filha de Jairo e tantos outras ressurreições operadas por Deus em Yeshua estariam em contradição COM A SUA TEORIA.

    Quem está sendo fundamentalista aqui é o senhor. Pior, no fundamentalismo de um SUPOSTO conhecimento de terceiros. [Se vc já viu aulas/entrevista de "professores" de hebriaco sabe o que me refiro] Com todo respeito.

    Então deixe de ser soberbo. O comentário não é um ataque cego. Mas sim percebe que não existe COERENCIA TEXTUAL em seu post e as Escrituras. Pior, não existe harmonia em coisas que vc próprio fala. Qualquer judeu sabe o que estou falando. Sabemos dos acrescimos nas Escrituras, das diferenças entre má tradução e transliteração etc. Tem muito coisa boa no teu site, mas tem muita coisa sem sentido. Isso é estranho. Graças a Deus nas Sinagogas não são assim.

    Dê um pulo num blog sobre ateismo, cetismo e coisas semelhantes e talvez vc me entenda. Ou talvez queira que eu desenhe...

    Não tenho a intenção de discutir, nem perder tempo.
    Obrigado.
    Fique com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então eu uso um texto de Hebreus que aliás é um erro de tradução do grego, e sou um fundamentalista por isso!! Sei! Já esperva esse tipo de comentário também!

      Excluir
  10. Sobre mateus 28:19, existe no original?
    o livro “O Judaísmo e as Origens do Cristianismo”, revela, sobre este verso ou palavras, que parecem não foram ouvidas e nem compreendidas por todos os discípulos e apóstolos de Cristo; tendo em mente o fato de sabermos que nenhum deles pôs em prática essa suposta e expressa ordem do Mestre. De fato, não há nenhum relato ou testemunho transcrito, nenhum outro registro de batismo nas Escrituras, onde esta fórmula trinitariana de batismo tenha sido colocada em pratica por algum dos discípulos ou dos apóstolos.
    O que consta nos escritos de Eusébio sobre o texto de Mateus 28:19-20 antes do Concílio de Nicéia é o seguinte: “Ide e tornai todas as nações discípulas em meu nome, ensinando-as a observar tudo o que vos ordenei”.O Concílio de Nicéia, em 325 DC; foi o primeiro onde se discutiu a natureza divina - humana de Cristo. Quase todos os cristãos sabem, que neste período da igreja, homens doutos já haviam introduzido vários ensinamentos espúrios a verdadeira fé.

    O que você diz sobre mateus 28:19? Ele foi acrescentado?

    ResponderExcluir
  11. Não vi relato da morte de Lázaro, mas sim, da intenção dos fariseus em mata-lo. Acredito na autenticidade de hebreus 9:27, muito simples , comoa ja passarama pela morte, Foram arrebatados ,assim como Deus arrebatou Enoqueb e Elias, que cumprirão tb hebreus 9:27, comobas as duas testemunhas fieis de apocalipse. E se nao me engano, a biblia não relata uma segunda morte para nenhum dos ressuscitados, não diz tb foram arrebatados, mas para mim fica subentendido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Foram arrebatados ,assim como Deus arrebatou Enoqueb e Elias, que cumprirão tb hebreus 9:27"

      Isto Non Ecziste, Enoque e Elias morreram como pessoas normais, não foram arrebatadas pra céu algum.

      Excluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Olá
    Acho muito interessante o ser humano.
    Por exemplo: Mateus, Marcos, Lucas e João nos descrevem seus relatos sobre nascimento, vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo nesse mundo!
    E, para os homens, acho que todos deveriam descrever unicamente a mesma coisa e se puder, com as mesmas palavras (ou seja) a cópia exata um do outro - isso para se ser verdadeiro.
    Porque se qualquer deles dissesse alguma coisa não relatada por qualquer um dos outros três, isso não serviria como prova, porque somente um o descrevera.
    Mas... agora, os mesmos homens que duvidam dos relatos deles (Mateus, Marcos, Lucas e João) os quais são historiadores (é claro) porque os que dizem faz parte da história... não é atoa que o mundo hoje contabiliza o tempo moderno balizado sob o Nascimento de Jesus Cristo neste mundo. Ou seja, o que esses historiadores Mateus, Marcos, Lucas e João é tão importante à história que justamente o relato descrito por eles é que muda e estabelece-nos a história e o tempo da história a ser contado, como por exemplo, antes e depois de Cristo...
    Mas os mesmos homens que desconfiam dos relatos de Mateus e Marcos e Lucas e João (querendo exigir que todos concordem entre si em todos os pormenores por eles descritos - não exigem o mesmo de outros historiadores, como por exemplo, Flávio Josefo.
    Josefo, por exemplo, pode citar apenas uma coisa que contrarie o que os historiadores cristãos escreveram-nos para desacreditarem-nos em cada ponto de suas narrativas.
    Exemplo, Flávio Josefo diz que Herodes morre por volta do ano 4 antes de Jesus nascer...
    E apenas ele cita isso, mas é a mais pura verdade para os pesquisadores e críticos...
    Pouco conhecido (ou divulgado) pelos pesquisadores modernos é que Josefo usou duas formas diferentes para datar a morte de Herodes e a interpretação da fonte que aponta o ano 4 a.C. é extremamente discutível. Em outra obra, Josefo chega a afirmar que Herodes morreu em 7 ou 8 a.C.
    Ou seja, o próprio Josefo se contradiz a si mesmo nas suas obras. No entanto ele é tido pelos pesquisadores e críticos como um historiador incontestável...
    Josefo também erra ao descrever vários fatos narrados na própria Escritura Judaica (o Tanach - Velho Testamento) em várias narrativas. Por exemplo, numa de suas obras ele diz que Esdras e Neemias não não eram contemporâneos em Jerusalém, e que Neemias quando sobe a Jerusalém, Esdras já havia morrido. Isso é um tremendo desconhecimento e engano dele na sua "história". Pois os dois (Esdras e Neemias) foram contemporâneos e estavam em Jerusalém no mesmo período: Esdras era um sacerdote e Neemias o governador.
    Acho muito interessante os homens...
    Se alguém quiser ler um pouco sobre as incoerência de Flávio Josefo em suas obras favor acessar o site:
    http://www.veritatis.com.br/boas-novas-jesus-cristo-nasceu-mesmo-em-25-de-dezembro-do-ano-1-ac/
    Um abraço!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...